Arquivo

Archive for the ‘Marketing’ Category

E o chopp azedou…

janeiro 31, 2012 2 comentários

O 1º post de 2012 nem precisou ser muito pensado, ele caiu no meu colo!

Eu não sou nenhum especialista em redes/mídias sociais, mas ficou fácil perceber como algumas empresas se utilizam destas ferramentas de forma inteligente, e como outras, nem tanto.

Enquanto isso, nos fundos do Outback...

Nesta semana que se passou, um jornal do bairro de Alphaville (Barueri-SP), divulgou uma notícia em seu site onde mostrou uma gravação de vídeo, na qual os funcionários do restaurante Outback de Alphaville, reutilizavam chopp. Como? Imagina que você estava lá tomando seu chopinho, no famoso Billabong Hour da casa (onde as bebidas alcoólicas são double, ou seja, paga 1 leva 2), e deixava um restinho do chopp quente na caneca para pedir outro. Então o garçom pegava sua caneca, passava pela cozinha, despejava os restos quentes e babados que você deixou em uma jarra de liquidificador, e ao encher outras canecas para os clientes, ele as completava com aquele chorume “chorinho” que você deixou. Pois é, gente…se estiver duvidando, tem o link para a notícia aqui.

Ok. Esse acima é o fato 1. O fato 2, é aquela velha história que todo mundo sempre reclamou, que no saco de vento batata Ruffles, vem muito ar, e que isso engana os consumidores. Aí, nestes tempos de facebook, em que todo mundo posta 1237 imagens com infográficos, imagens, setas, memes e tudo isso durante o dia inteiro, começaram a rodar nas mídias sociais umas piadinhas falando disso.
Legal, postos os fatos sob a mesa, agora voltando ao assunto principal. E o ponto é: resolução de problemas/crises nas redes sociais.

Enquanto a Pepsico, dona e produtora da marca Ruffles, elaborou um infográfico bem bonitinho e honesto, onde explica toda a vida daquela batata frita (desde o plantio até sua boca), alegando com motivos, ao meu ver, justos, o porquê daquela quantidade de ar no saco (se não viu o infográfico, tem link aqui). O Outback decidiu usar as mídias sociais para mostrar o processo de produção de seu chopp, a temperatura do copo em que é servido… Simplesmente pegaram as pessoas que comentaram qualquer coisa do chopp do outback nesses dias, e começaram a responder no twitter com um link para o processo do chopp do Outback (link).
Mas, peraí!! O pessoal não está reclamando que o chopp é servido quente ou que ele é de má qualidade, e sim reclamando de tomar baba dos outros! Ou seja, ainda não sei que repercussão isso vai ter, mas é nítido o despreparo da empresa ao criar uma resposta dessas, que pode ter um efeito ainda mais negativo no público.

Resposta padrão, e "nada a ver", do Outback

As mídias sociais dão uma enorme oportunidade para que as marcas “falem” diretamente com o consumidor, mas parece que muitas ainda não entenderam.
Se você não está nas redes sociais monitorando, pode acreditar que tem alguém falando de você, mesmo assim. Mas se você está por lá, aproveite para responder o que as pessoas querem saber e, com isso, ganhar mais admiradores para sua marca, do que meros clientes de 1 chopp (eca!).

Continua a dúvida: pôneis vendem mesmo?

setembro 13, 2011 3 comentários

No final da semana passada, a Nissan divulgou alguns dados de vendas dos seus carros de um ano para cá.
E muitas pessoas me mandaram os links das notícias, já que eu havia colocado em dúvida a efetividade do comercial dos Pôneis Malditos.

Diversas notícias foram lançadas: aqui, aqui e aqui.

É nítida a intenção de mostrar como os pôneis fizeram o resultado das vendas explodirem depois de anunciados!
Mas peraí! O comparativo de crescimento que está sendo feito é de 1 ano pra cá! É muito factível que as vendas tenham aumentado em um ano, com a economia aquecida, os juros pros carros caindo e tudo mais…
O comercial dos pôneis foi lançado no final de julho deste ano, porque não mostrar um comparativo de vendas dos últimos 3 meses?
É claro que a tendência é as vendas aumentarem de um ano pra cá, já que a montadora vem fazendo um forte trabalho de marca.

Continuo cético em relação à efetividade deste comercial. A hora que me mostrarem um crescimento nítido em vendas do final de julho pra cá, da Frontier, eu acredito… Se alguém achar esses dados recentes, eu aceito! =)

E, pra finalizar o assunto. Essa história de que o Mc Donald’s se aproveitou da polêmica do comercial para lançar os brindes do Mc Lanche Feliz da marca My Little Pony, da gigante de brinquedos Hasbro, é brincadeira, né? (como diria o Neto) Ninguém aí sabe que os brinquedinhos do Mc são feitos na China? Que tem prazos para produção e importação? Que a Hasbro, detentora da marca dos pequenos pôneis, não ia querer vincular seus brinquedos a esse caso, já que a Nissan está “zoando” com os bichinhos? É tanta especulação e notícia bizarra, que vou te contar….

Pôneis são vendedores?

setembro 1, 2011 2 comentários

Há semanas não se vê uma roda de conversa que não tenha alguém cantarolando ou citando a música dos pôneis malditos, do comercial mais recente da Nissan no Brasil.
Sei que já é o terceiro ou quarto post em que falo da Nissan aqui, mas é um sinal que eles estão mesmo incomodando e aparecendo no mercado automobilístico e publicitário do país.

Porém, uma dúvida que apareceu na última aula que acompanhei semana passada na Cásper Líbero, foi se essa campanha teve impacto direto nas vendas da montadora.
Muitos alunos apostando que houve aumento nas vendas e no conhecimento da marca (brand awareness) Nissan. Quando perguntamos pra sala se alguém lembrava do nome do carro que estava sendo anunciado, só 1 aluno soube responder Frontier.

Ao meu ver, seria interessante a Nissan continuar com a campanha expandindo para o marketing direto, com o intuito de aproveitar o buzz gerado pelo comercial e tentar transformar aquilo diretamente em vendas ou interesse do consumidor em ir até a loja. Mas até onde minha pesquisa pôde ir, parece que não foi realizado nada nesta área, o que acho um grande desperdício. (se alguém souber de algo que rolou nesta linha, por favor, me avise que irei mais a fundo ainda!!)

É claro que pensando a longo prazo, a estratégia atual da marca pode trazer resultados satisfatórios em questão de lembrança de marca e consideração na hora do consumidor escolher o seu próximo carro. Porém, será que as equipes de vendas e produção estão concordando com essa onda de comerciais “descolados”, se eles não estiverem vendendo mais, nem atingindo suas metas? Realmente eu não tive acesso ao resultado de vendas (pesquisei bastante, juro!), mas o pouco que achei na internet é que a Nissan não está divulgando seus últimos relatórios de vendas, somente citando que a estratégia está dando certo.

Enfim, o que vocês acham? Será que realmente esse tipo de campanha vai impactar no resultado de vendas e na percepção de qualidade da marca por parte dos clientes?
Ou será que os únicos números encontrados a respeito da campanha serão milhões de views no Youtube, dezenas de paródias de todos os tipos, milhares de menções no twitter, comunidades no Orkut e Facebook, e posts desconfiados como este?

Para quem quer curtir e ficar com a música na cabeça por mais 3 dias, pode rever o comercial aqui:

O tal do storytelling

agosto 11, 2011 1 comentário

O storytelling vem sendo falado constantemente de uns tempos pra cá, e utilizado como plataforma para inúmeras campanhas de grandes clientes pelo mundo todo. Eu não vou me atrever a descrever ou tentar explicar o conceito de forma sucinta, pois não sou especialista no assunto, e não quero deixá-los com textos incompletos. Então, se quiserem saber mais a respeito, antes de continuar lendo este post, procurem no Google sobre o termo, que lá te explicarão melhor do que eu. O que posso adiantar é que se desejar pesquisar sobre Henry Jenkins, vai achar muita coisa interessante a respeito.

Minha intenção com este post é mostrar como o storytelling está tão em alta, que está sendo utilizado até onde não imaginamos.

O conceito, primordialmente, refere-se a atividades ligadas à propaganda e afins. Porém, em um sábado desses de bobeira em casa (sem condições físicas para jogar futebol), assisti o Caldeirão do Huck. E para minha surpresa, pude ver muita coisa relacionada ao conceito de storytelling dentro do programa. Os quadros “Lar Doce Lar” e “Lata Velha”, são puros exemplos disso e vou mostrar pra você, leitor do Blog do Rouco, a relação que fiz dessas ações.

Experimente dar uma lida na sua timeline do twitter ou facebook durante a exibição do programa (sábado à tarde, se é possível que alguém não saiba). Certamente, entre as palavras mais twitadas dos brasileiros estarão: Caldeirão, chorei, emocionante, legal, lindo, etc…
Junte essa pesquisa a algumas declarações do âncora durante o programa, como a que presenciei, mais ou menos assim: “…e eu fiz isso, porque aqui no Caldeirão, nós vamos atrás de histórias. Nós queremos ajudar quem merece, queremos buscar essa emoção no cotidiano das pessoas…” e outras seguindo essa linha.

O Luciano e o seu caldeirão exibem histórias reais, com personagens reais, com emoções reais, trazendo quem está do outro lado da telinha para junto de si. As pessoas se sentem no lugar daquelas que estão competindo, torcem por elas, choram pela dificuldade dos outros e vibram quando os participantes ganham! O Caldeirão, com sua poção mágica, consegue inserir o seu programa no “mundo” das pessoas que o assistem. E é isso que faz desses 2 quadros o principal sucesso do seu programa. E é exatamente dessa forma que as marcas também tentam se colocar ao lado do seu cliente, aplicando o storytelling em suas campanhas de comunicação.

E nesse embalo do storytelling, muitas marcas acabam se relacionando/expondo ali no meio dos quadros, com o que muitos chamariam como um simples “merchan“: Suvinil, Mobil, Rosenbaum, Volkswagen, Tok&Stok, entre outras.

É claro que não é exatamente uma aplicação de storytelling completa, que não tem alguns elementos que caracterizam o conceito, como por exemplo a expansão desses elementos para outras mídias e canais, afinal se trata de um programa de TV, de uma emissora fechada. Mas se olharmos por esse lado de captar o cliente/espectador através da emoção, e colocá-lo no papel de quem está na tela para com isso capturar sua emoção e torná-lo devoto à marca/programa, o Luciano Huck está dando um show! Não é a toa, que junto com o Neymar, ele é o queridinho dos anunciantes do país todo.

Paralelo desconexo: o que Greenwashing tem a ver com redes sociais?

Estava relendo meu texto sobre greenwashing da semana passada, e acabei fazendo um paralelo meio “desconexo”, mas que pra mim fez algum sentido. E resolvi contá-lo em forma de post. Vê se concorda.

Já falei aqui (e já foi falado antes e depois por milhares de especialistas nas redes sociais) como a maioria das empresas de hoje em dia não está conseguindo se relacionar de forma adequada com o público através das redes sociais. Algumas usam linguagem errada, outras não respondem quando são questionadas sobre algo negativo da marca, outras criam perfis e os abandonam… Enfim, tem inúmeros motivos para isso não estar dando certo para tanta gente.

Mas voltando, o paralelo maluco que eu tracei, foi da relação que muitas marcas têm no ambiente digital com seus clientes versus greenwashing. Tá bom, sei que a princípio não há nenhuma relação, mas veja a linha de raciocínio. Muitas empresas dizem estar nas redes sociais, participar, falar com seus consumidores, mas na real, elas nunca ouviram o seu consumidor presente nesse ambiente. Elas não respondem seus tweets, elas não comentam seus posts no facebook, ou seja, elas só falam o que interessa e não ouvem o seu consumidor/cliente/prospect. Isso é ter uma conversa ativa com seu cliente? Isso é ser presente nas redes sociais?

Pra mim isso é a prática do conceito do greenwashing em comunicação. Ok, acabei de misturar tudo. Mas é só pra vocês entenderem o que eu quis dizer. Assim como uma empresa diz que é sustentável, que não polui o planeta, etc., mas não o é totalmente, outras empresas dizem que estão preocupadas com seus consumidores e os querem ouvir nas redes sociais, mas não o fazem. Simplesmente escrevem, não interagem, e ainda querem engajamento de seus clientes na hora que lançam campanha para pedir RT.

Como você quer ser legal plantando 10 árvores, se derrubou 100 para fazer uma embalagem?
Como esperar retorno de alguém que te pergunta algo e você nunca responde?

Sei que minha comparação é meio maluca, mas, não faz sentido?